08.01.2016

____ enquanto olhava para o branco da parede, atividade de extrema importância que toma tempo e dedicação, perdi a linha do pensamento e deixei o vazio tomar conta. a música do ambiente era a soma de todos os ruídos, o cheiro era de calor, os dedos eram os únicos que se mexiam para escrever exatamente escrever, com um certo impulso ativo do espírito. de certa forma, podia ser considerada uma forma de meditação. já que a disciplina foi pouca para a escrita algo mais elaborado, os dedos caminhavam quase que automaticamente. se julgasse um pouquinho, tinha uma boa desculpa: surrealismo, meu amigo. e qual seria uma alternativa de movimento? o que afinal move esses dedos? por qual motivo? o que poderia ser importante? falar da ignorância humana, que continua um perpétuo ciclo de barbaridades contra… a vida? não gosto de apontar dedos, não é necessário e nem ajuda… falar da salvação? se existe, não é através da palavra. então eu escrevo escrevo escrevo porque fiz um combinado que tentarei manter.