a cidade pode ser boa

A post shared by Ahh Be (@_abestrato) on

____nosso tempo é de consumo imediato, então escrevo enquanto as coisas ainda estão frescas… eu cansado e sujo do dia.
____acordar cedo num domingo não é costume, mas como veio um chamado de marina, assim o fiz. e que bom. a ideia era: tem trilha, uma vivência (?) e depois jam, no horto florestal. anima? anima. nunca fui lá, faz tempo que não caminho entre árvores e jam é meditação/celebração com outros. tinha a possibilidade do coração talvez sentir um pouco nessas condições, mas quem não sente, não vive. fui.
____o coração sentiu, o sol brilhou, o corpo movimentou. reconheci amizades e tivemos a oportunidade de criar outras.
____que dia… daqueles que a única aceitável e compreensível reclamação é: poderia ser mais. a parte boa é que tento não reclamar das coisas (utilizo delas apenas como efeito literário!) e certamente viví inteiro e íntegro enquanto tudo aconteceu.
____não se pode pedir mais, não se pode oferecer mais.

____a cidade pode ser boa… em dias como este.

mãeana e jacy

____ que prazer provar das coisas novas e inesperadas…

____ sem saber o que esperava, fui ao show da banda mãeana aqui no sesc belenzinho. O chamado veio de Angela, fazia bastante tempo que não saíamos. A caminhada até lá foi uma das mais gostosas — e olha que faço esse caminho quase que diariamente. Acho que era o ar de verão e o mar de emoções da semana anterior. No caminho, ao chão, encontrei flores e as carreguei comigo. Para ser totalemente sincero: a rosa encontrei no pé e a tirei do caule. Já aprendi que esse pequeno incômodo de tirar flores de seus lugares naturais é o que se paga pelo valor desses presentes vivos. Tirei uma foto.

A post shared by Ahh Be (@_abestrato) on

____ Caminhando mais um pouco, ví a nossa amiga lua. Quase cheia, brilhante mesmo de dia e com o céu limpo e azulado, fazia um ótimo contraste. Foto de lua (e de coisas simples e naturalmente belas) nunca faz jus ao que é, mas veio o impulso:

A post shared by Ahh Be (@_abestrato) on

____ Encontrei Angela e fomos no terraço tomar um cafézin. Lá embaixo, na piscina aberta, ia começar uma sessão de cinema para se assistir deitado e relaxado em bóias! Ah, que gostoso… mas o sesc não me quer como participante e eu não quero quem não me quer.
____ O final de tarde lá do terraço é um presente em sp, recomendo a qualquer um.

____ Não sabia quem ou o quê era essa tal banda.
____ Assim que o palco foi aberto, já animou. Cores e coisas por toda a volta. Diversos estandartes com… desenhadas bucetas? Era isso mesmo? Era isso mesmo. Tinha até cabeça de et no centro do palco.

____ A banda entrou. Um sereio entrou. Uma linda mulher com um barrigão de uns oito meses entrou. Que bela imagem, palco completo, vivo. A música começou e a noite que já tava boa só continuava a melhorar.
Sobre a música, só posso recomendar aos outros escutar e experimentar um show…

____ Para extender um pouquinho a noite, fomos ao barzinho-brechó ali na frente. Na conversa claramente decidimos que a única coisa não tão boa de toda a noite foi a obrigação de assistir ao show sentados… que noite.

____ No dia seguinte veio o chamado da Malu. Assistir uma peça ali no sesc pinheiros. Meu deus, como essa instituição tá presente na vida desses últimos dias. Justo essa, que não me quer como eu a quero — condição normal de todo sofredor romântico, minha não, é claro.

____ A única coisa que sabia era o nome da peça, Jacy e que eram do Rio Grande do Norte. Tava dentro fácil fácil. Malu atrasou e por pouco quase fui embora…

____ A peça muito boa, agradável de assistir, além de informar sobre várias loucuras da vida. Cheia de efeitos, camera, microfones, usados na medida certa, a história toda amarradinha, sempre lá em cima. Ahh, e aquele sotaque… como é bom escutar a grandeza da língua, de lugares tão distantes mas tão próximos.

____
Um dos prazeres da peça foi descobrir que Jacy é lua em tupi. E eu lá fora, em noite de lua cheia… teve uma época da vida, mais jovem é claro, que eu queria sair só quando a lua chamava. Auuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu…..

batidas no piano em frente ao sol

____ O chamado veio da Raquel: Vai ter alguma coisa na frente daquela obra que você gosta – e me passou um link. Ví em umas fotinhos que tinha algo relacionado com o piano na frente do sol lá no sesc belenzinho. Beleza, acabei de acordar da soneca, por que não? Saí de casa faltando vinte minutos para as 19h, horário marcado para começar. Cheguei lá 18h57, com o corpo em alta e levemente suado. Atrasou e fiquei a matutar… quase escapei para assistir o pôr do sol lá no terraço…

____ Começou com um grupo de pessoas chegando ali perto. A apresentação de um garoto foi: serão duas peças, a primeira mais sonora, talvez vale vocês chegarem mais próximos. Fomos.
____ Água caindo de diversas maneiras. Gostoso som do líquido, boa figura do diversificado grupo. Foi rápido e simples. O ruído geral do espaço faz parte da experiência, mas acaba tirando um pouco da atenção.
____ Durou uns 5 minutos. Depois foram ao piano. Primeiro o anunciante, depois um e outro e foi-se aumentando até todo o grupo munido de martelo, pregavam as teclas do coitado do piano.

____ Em um momento, apareceu um casal de enfermeiros com uma criança de uns seis ou sete anos. Primeiro aqueles olhares claros de o que tá acontecendo por aqui?! Depois o menino se aproximou da ação. Anotei os comentários do pequeno, que contêm um pouco de sabedoria e espontaneidade que tanto admiro:
____ — “Ué, o que vocês estão fazendo com o piano?”
____ — “Vocês não vão tocar mais? Não tá funcionando?”
____ — “O piano é tão bonito…”
____ Enquanto dizia isso, ele dançava às batidas e vez e outra girava com os braços abertos.
Compartilho todas as falas do garoto e inclusive gostaria de girar um pouquinho ao ritmo das batidas.

____ Achei interessante a imagem e até o som tem um certo charme, batidas de martelo dentro e no piano… mas… tanta destruição…
____ Eu não conheço a história deste específico instrumento além do que estava escrito na frente: veio de Hamburgo e a marca nem gravei. Um objeto naturalmente tão poético e com tantas possibilidades sonoras, me pergunto o valor de utilizar/descaracterizar/destruí-lo para esses fins criativos.
____ Certamente eu trocaria esse meu texto por um piano inteiro nas mãos de algum estudante que não tem chances de importar um lá da alemanha… vai entender, o piano se foi e a experiência ficou. Espero que tenha servido de faísca ou inspiração para os outros ali.


____ Na volta ví a lua, que tá quase cheia… e o céu, azul com as nuvens em roxo. ah, pela lua e por esse céu eu trocaria um piano de hamburgo.
____ A foto da lua fico devendo… porque não tirei e porque não faria jus a tamanha beleza — como sempre.